Lulapalooza e a toalha mais querida do país: a circulação de sentidos a partir da performance de Pabllo Vittar

  • Rodrigo Duarte Bueno de Godoi Unisinos
  • Ana Paula da Rosa Unisinos

Resumo

O atravessamento entre diferentes campos é uma característica da sociedade em midiatização, isto porque cada vez mais as lógicas de midiatização (BRAGA, 2012) passam a compor as práticas sociais, sendo determinantes para os modos como agimos, vivemos e performamos. Neste sentido, processos comunicacionais se tornam centrais no imbricamento entre campos aparentemente impensáveis, como a política e o entretenimento. Neste texto, nos propomos observar relações de transbordamento de fronteiras entre campos, considerando um show musical como um espaço performático, mas também como um espaço onde se inscrevem discursividades sociais que se prolongam para além daquilo que ocorre no palco durante o evento. Nos referimos a um fazer midiático de um artista que assume conotação política e que, por isso, passa a agenciar circuitos interacionais. Destaca-se em especial a questão imagética que emerge neste contexto, sendo a imagem aqui um elemento importante para a disputa de sentidos em jogo.


Isto posto, o presente trabalho tem por objetivo conduzir um debate sobre a circulação de sentidos, em especial a disputa política em torno de uma imagem do rosto do ex-presidente Lula, transformada em produto (uma toalha) que se torna bandeira durante a performance da drag queen Pabllo Vittar, em sua apresentação no festival LollaPalooza Brasil, em 2022. O foco está na compreensão deste atravessamento entre o artístico e o político, e em especial o que este episódio permite ver sobre uma processualidade em curso, vista em diferentes países, que se refere ao deslocamento do debate político para o espaço performático de shows e eventos musicais. Certamente a música é um lócus de debate e tensionamento, seja nas letras, seja nos videoclipes, nos shows tributos. No entanto, o que identificamos como algo recente e que indicia o adensamento do processo de midiatização social se refere a artistas que passam a produzir manifestações políticas em seus shows e dispositivos midiáticos, como as redes sociais, e que, se por um lado assumem um posicionamento explícito (o que não é novo), de outro passam a desenvolver performances sobre e com os elementos políticos, o que desloca o debate social para a esfera da circulação midiática, muito além da duração de um show ou da performance em si. Assim, a discussão deixa de ser o espetáculo musical e passa a se centrar no tensionamento da legalidade dos atos e em estratégias de contato acionadas por diferentes atores. Em alguma medida, a performance do artista estende-se como um convite para uma performatividade dentro e fora das redes digitais, a partir das apropriações e reapropriações.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##

Jornalista, doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) e mestre em Comunicação e Linguagens pela Universidade Tuiuti do Paraná. Atualmente é docente e pesquisadora no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Unisinos.

Publicado
2022-11-06
Como Citar
BUENO DE GODOI, Rodrigo Duarte; ROSA, Ana Paula da. Lulapalooza e a toalha mais querida do país: a circulação de sentidos a partir da performance de Pabllo Vittar. Anais de Resumos Expandidos do Seminário Internacional de Pesquisas em Midiatização e Processos Sociais, [S.l.], v. 1, n. 5, nov. 2022. ISSN 2675-4169. Disponível em: <https://midiaticom.org/anais/index.php/seminario-midiatizacao-resumos/article/view/1510>. Acesso em: 29 jan. 2023.