A construção do objeto: territorializando a arquitetura do espaço em que as playlists do Spotify se encontram

  • Guilherme Batista UNISINOS

Resumo

Neste trabalho procuramos expandir as investigações quanto ao empírico da dissertação de mestrado, alcunhada “Agenciamento e circulação de emoções em plataformas: uma análise da inteligência artificial no Spotify”, com o objetivo de construir novas questões e inferências quanto ao objeto de estudo: as playlists do Spotify. Com sistematizações, a partir das exposições empíricas e interfaces atribuídas (BRAGA, 2004), procuramos definir o que é a sociabilidade presente, na tentativa de compreender as lógicas e gramáticas de reprodução (VERÓN, 1986; NETO, 2013; FERREIRA, 2016) da plataforma. Afinal, este é o próprio produtor de sentidos (FERREIRA, 2020) do software, que realiza esta ação a partir dos algoritmos estruturantes neste espaço digital. Com as investigações, os resultados obtidos pelas inferências (PEIRCE; 1970) consistem em meios às preocupações quanto aos espaços de interferência da plataforma, a questão da disponibilidade e personalização, sua sociabilidade regida pelo Feedback colaborativo e o fator do tempo se tornar encarregado de mostrar as limitações do agenciamento maquínico regido.

Publicado
2021-04-22
Como Citar
BATISTA, Guilherme. A construção do objeto: territorializando a arquitetura do espaço em que as playlists do Spotify se encontram. Anais de Artigos do Seminário Internacional de Pesquisas em Midiatização e Processos Sociais, [S.l.], v. 1, n. 4, abr. 2021. ISSN 2675-4290. Disponível em: <https://midiaticom.org/anais/index.php/seminario-midiatizacao-artigos/article/view/1351>. Acesso em: 28 nov. 2021.